Teresina é a capital e o município mais populoso do estado brasileiro do Piauí. Localiza-se no Centro-Norte Piauiense a 366 km do litoral, sendo, portanto, a única capital da Região Nordeste que não se localiza às margens do Oceano Atlântico. Possui uma população estimada em 840.600 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2014. Está conurbada com a cidade maranhense de Timon, formando, assim, a Região Integrada de Desenvolvimento da Grande Teresina, que aglomera cerca de 1.189.260 habitantes, sendo a segunda RIDE mais populosa de todo o Brasil, atrás apenas de Brasília. Teresina é a 20ª maior cidade do Brasil e a 17ª maior capital de estado, sendo hoje uma das cidades que mais cresce em todos os setores no Brasil.

Teresina é a terceira capital com melhor qualidade de vida do Norte-Nordeste segundo o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal, e segundo o IPEA é a quinta capital mais segura do Brasil (perdendo apenas para Natal/RN e Palmas/TO Fortaleza/CE). A cidade tem um IDH alto (Índice de Desenvolvimento Humano), porém, ainda é a oitava colocada entre as capitais do Nordeste, ficando à frente apenas de Maceió. Teresina também é a terceira cidade onde mais acontecem sequências de descargas elétricas no mundo. Por esta razão, a região recebe a curiosa denominação de “Chapada do Corisco”. Seu lema é a frase “Omnia in Charitate”, que significa, em português, “Tudo pela caridade”. A cidade é a terra natal de Torquato Neto, poeta do Tropicalismo, e de Carlos Castelo Branco, colunista político do Jornal do Brasil.

Historicamente, Teresina desenvolveu-se por meio do Rio Parnaíba, através da navegação fluvial. Teresina é conhecida por Cidade Verde, codinome dado pelo escritor maranhense Coelho Neto, em virtude de ter ruas e avenidas entremeadas de árvores. É um município em fase de crescimento galopante e, atualmente, possui uma área de 1.673 km² e uma população de quase 1 milhão de habitantes. É uma das mais prósperas cidades brasileiras, destacando-se atualmente no setor de prestação de serviços, comércio intenso, rede de ensino avançada, eventos culturais e esportivos, congressos, indústria têxtil, com uma justiça trabalhista célere e um grande, complexo e moderno centro médico que atrai pacientes de vários estados.

História

A origem de Teresina é ligada diretamente ao Rio Poti. Às margens desse rio havia um povoado, que depois seria elevado à condição de Nova Vila (do Poti ou Poti velho). Essencialmente formada por pescadores e pequenos comerciantes, era cortada por uma estrada que ligava Oeiras, então capital da Província do Piauí, a Parnaíba, um dos mais prósperos centros do estado. Esse povoado corresponde hoje ao bairro do Poti Velho, que embora tenha surgido mais de 100 anos antes do que a capital, só foi anexado a mesma em meados do século XX. Hoje, apesar da grande e profunda mudança em sua paisagem, o bairro ainda preserva seus costumes e suas tradições. Hoje é considerado o bairro mais velho da capital, porém o marco e a data de fundação da cidade são atribuídos a fundação do atual centro da capital.

Uma das primeiras construções de Teresina foi a Igreja de Nossa Senhora do Amparo, localizada no Centro da Capital, o que mostra a verdadeira devoção religiosa do povo da antiga vila. A cidade já nasceu, ou seja, foi fundada, em 1852, com o objetivo de tornar-se capital da Província do Piauí, totalmente planejada pelo Conselheiro José Antônio Saraiva, sendo, portanto, oficialmente a primeira capital planejada do Brasil. A construção faz parte da atual Praça Marechal Deodoro, onde na fundação da cidade concentrava toda a esfera política do estado, com o prédio da Justiça Federal e do Palácio do Governo (Atual museu do Piauí) e também destacava-se como centro econômico, com a inauguração do mercado velho. Hoje, marco zero da fundação da cidade, a praça possuí ainda o Palácio da Cidade(Antiga escola normal) e o Mercado central(Mercado velho) do que integrava a sua fundação.

Vale ressaltar que a transferência da capital da Província do Piauí de Oeiras para Teresina realizou-se sob vários protestos da comunidade oeirense, que desejava a todo custo, garantir a permanência da capital naquela cidade. Contudo, apesar da pressão, o Presidente da Província, José Antônio Saraiva, ardoroso defensor das ideias mudancistas, efetiva a transferência da capital. E em 16 de agosto de 1852, dirige circular a todos os Presidentes de Província do Império do Brasil comunicando o fato, instituindo-a assim, como nova capita da Província

O nome da cidade remete a imperatriz Teresa Cristina Maria de Bourbon, que teria intermediado com o imperador Dom Pedro II a ideia de mudança da capital, e em sua homenagem deu-se o nome da cidade, que é a contração (mistura) das palavras Teresa e Cristina. Tornada capital, Teresina passou por um crescimento bastante acentuado, aumentando de 49 para cerca de 8 mil habitantes em duas décadas. Essa foi a primeira cidade do Brasil construída em traçado geométrico. Ela não nasceu de forma espontânea, mas de modo artificial. Saraiva, pessoalmente, tomou as primeiras providências: planejou tudo, juntamente com o mestre-de-obras português João Isidoro França, com o cuidado de estabelecer logradouros em linhas paralelas, simetricamente dispostas, todas partindo do Rio Parnaíba, rumo ao Rio Poti, principais fontes de água da cidade, até hoje.

No ano de 1860, a nova capital já contava com uma área urbanizada de um quilômetro de extensão na direção norte-sul, com os seguintes confrontos: de um lado o largo do quartel do Batalhão (atual Estádio Lindolfo Monteiro) e do outro o “Barrocão” (atual Avenida José dos Santos e Silva). Na direção leste-oeste o desenvolvimento não ganhou a mesma intensidade. Tomando-se como base o lado do Parnaíba, as ruas findavam a algumas dezenas de metros acima das duas principais praças, a da Constituição, atual Praça Marechal Deodoro da Fonseca (que anteriormente também denominou-se Praça do Palácio e Largo do Amparo), e a do Largo do Saraiva (atualmente Praça Saraiva). Para o lado do Poti, nem todas as ruas chegavam ao rio. A Rua Grande, atual Rua Álvaro Mendes, uma das principais ruas da nova capital teve um papel significante no desenvolvimento da nova cidade.

Teresina é conhecida por Cidade Verde, codinome dado pelo escritor maranhense Coelho Neto, em virtude de ter ruas e avenidas entremeadas de árvores. É um Município em fase de crescimento e, atualmente, possui uma área de 1.673 km² e uma população de 800 mil habitantes. É uma das mais prósperas cidades brasileiras, destacando-se atualmente no setor de eventos, congressos, indústria têxtil, com uma Justiça trabalhista célere e centro médico da região.

Outros comentam que a criação da capital Teresina teria sido uma medida político-estratégica, sob o fato de que a cidade de Caxias, do estado vizinho do Maranhão, estava ameaçando a hegemonia da região norte do estado do Piauí, tendo então o conselheiro transferido a capital para resolver a questão da centralização no estado.

Teresina foi a primeira capital do Brasil especificamente planejada para substituir outra já existente; as outras são Aracaju (1855), Belo Horizonte (1894), Goiânia (1933), Brasília (1960), e Palmas (1989). Todavia, convém ressaltar, que os núcleos fundacionais das cidades de Salvador (1549), São Luís (1612) e Recife (Mauritsstadt – 1637) também foram projetados. Ainda assim, os traçados de Salvador e Mauritsstadt tinham uma malha reticulada flexível e tais cidades não foram projetadas para substituir outras Capitais já existentes.

Nos primeiros anos após a sua fundação,Teresina experimentou um crescimento – principalmente, populacional e estrutural – em um ritmo bem acelerado. A população passou de 49 habitantes a um número próximo de 20 mil, em apenas 20 anos. O principal motivo do desenvolvimento acelerado é a extração da borracha de maniçoba e da cera de carnaúba.Teresina também começou a ganhar postura estrutural de uma capital. Além da entrega da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Amparo, ainda no mesmo ano da fundação da cidade, Teresina ganhou o teatro “Santa Teresinha” em 1858. Em 1867, a Igreja de Nossa Senhora das Dores – depois elevada a Catedral – é concluída e, no mesmo ano, a cidade ganhou seu primeiro sistema de iluminação pública, dispondo de seis combustores de querosene sobre postes de madeira, ampliado em 1882. Em 1886, é inaugurada a Igreja de São Benedito.

Turismo

Teresina é servida por espaços para o desenvolvimento de eventos educativos e culturais, locais para realizações de feiras, práticas desportivas, exposição, dentre outros, 26 auditórios. Os auditórios oferecem condições satisfatórias de conforto e comodidade. A rede hoteleira de Teresina e constituída por 22 unidades, totalizando 575 apartamentos e 1.129 leitos.

Os principais pontos turísticos são:

Central de Artesanato Mestre Dezinho – A Central de Artesanato Mestre Dezinho, em Teresina, é uma verdadeira feira de arte da cultura piauiense. Localizada na Praça Pedro II, ela consiste num complexo de 25 lojas que comercializam o melhor da produção artesanal e artística do Estado, além de abrigar a Escola de Música de Teresina e a Escola de Balé. A escolha do nome, Mestre Dezinho, é uma homenagem a um dos maiores artesões que o Piauí já teve, com um trabalho consistente e reconhecido nacionalmente. Na Central de Artesanato podemos encontrar uma variedade de produtos genuinamente piauienses, tanto na arte, moda , como também da culinária local. Esculturas e santos feitos de madeira, produtos em cerâmica, couro, fibras, palha, pinturas, doces, cajuína, cachaças, roupas. Quem quiser conhecer um pouco da cultura do Piauí, pode começar visitando a Central de Artesanato e se maravilhar com os sabores e a sensibilidade de suas obras artísticas;

Central de Artesanato Mestre Dezinho

Central de Artesanato Mestre Dezinho

Museu do Piauí – Fundado em 1934, como uma seção do Arquivo Público do Estado do Piauí, sob a orientação do professor Anísio Brito. No ano de 1980 foi restaurado e tornou-se o Museu do Piauí, organizado em convênio com a Fundação Joaquim Nabuco de Recife. Está sediado no antigo casarão do Comendador Jacob Manoel Almendra, local que também já sediou o governo estadual. Existem quinze salas para visitação com exposições permanentes que contam a história do Estado através de aproximadamente 2 mil peças;

Museu Municipal de Arte Sacra Dom Paulo Libório – Criado em 2011,o acervo é composto, aproximadamente, de duas mil peças dos séculos XVIII, XIX e XX, contém imaginária sacra, alfaias, paramentos e mobiliário, tendo surgido da junção de alguns pertences da Arquidiocese de Teresina, da compra efetuada pela Prefeitura e de empréstimos de colecionadores da comunidade. A nomeação do museu como Dom Paulo Libório é uma homenagem ao primeiro bispo natural do Piauí que serviu em Teresina, e a casa transformada em museu, foi sua última moradia;
Museu dos Rios – Localizado no Parque do Encontro dos Rios, o museu foi criado para mostrar aos visitantes um pouco da fauna e da flora dos rios Poti e Parnaíba;

Biblioteca Estadual do Piauí – Localizada na Praça do Fripisa no palacete da antiga faculdade de Direito do Piauí; denominada Biblioteca Estadual do Piauí Prof. Cromwell de Carvalho[30] .

Igreja de Nossa Senhora do Amparo (Teresina) – É o templo católico mais antigo de Teresina (1850 – 1852). Sua arquitetura é eclética com imensas torres em estilo neogótico. A imagem de Nossa Senhora do Amparo que existe em seu interior veio de Portugal em 1850.

Catedral de Nossa Senhora das Dores – Localizada na Praça Conselheiro Antônio Saraiva, no centro de Teresina, a Catedral Nossa Senhora das Dores foi fundada em 1867, passando por várias reformas até então. Foi uma capela construída pelo Vigário Manoel Mamede e ampliada pelo Bispo Dom Severino;

Igreja São Benedito
– É a terceira igreja mais antiga de Teresina. Foi inspirada nas igrejas da região da Catânia na Itália, e construída por mão de obra escrava, levando doze anos para ficar pronta (1874 – 1886). Suas portas foram tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Todos os anos, grupos de cultura negra e umbandistas, lavam suas escadarias com ervas, flores e água de cheiro. É uma das principais da capital, está localizada no coração da cidade;

Praça da Bandeira – Grande área verde no centro da cidade, onde se encontram o Museu do Piauí, o Mercado Velho de Teresina, o Palácio da Cidade e a Igreja Matriz;
Pólo Cerâmico de Teresina – Área onde são confeccionadas peças de argila de singular beleza e que exporta, inclusive, para outros países;

Praça Pedro II – Área verde que conserva o charme do passado e onde se localizam a Central de Artesanato, o Teatro Quatro de Setembro e o Clube dos Diários;
Praça Saraiva – A Praça Saraiva pode ser classificada como uma área de lazer, de caráter contemplativo;

Igreja de São Benedito

Balneário da Curva do São Paulo – Localizado no bairro São Paulo, zona sudeste da capital, é uma estrutura construída nas margens do rio Poti, em um total de 32 hectares e 19 mil metros de área construída. É um espaço composto por 46 bares, estacionamento para 130 carros, 2 baterias de banheiros com 24 sanitários e espaço para salva-vidas, tudo sendo feito para promover lazer ao teresinense e desenvolver o turismo da cidade. Através da Curva do São Paulo são gerados 500 empregos diretos e 1500 empregos indiretos;
Ponte Metálica João Luis Ferreira – Antiga ponte que liga Teresina a São Luís do Maranhão por via férrea. Construída em 1939, foi projetada pelo engenheiro alemão Germano Frank, tornando-se o símbolo máximo de Teresina, sendo o mais divulgado cartão postal da cidade. No dia 11 de setembro de 2008, o IPHAN declarou a ponte como Patrimônio Cultural Brasileiro;
Ponte Estaiada João Isidoro França – A Ponte Estaiada de Teresina é a mais nova atração turística da Capital Piauiense. Construída sobre o Rio Poti, com 363 metros de extensão, seis pistas de rolamento e duas ciclovias, liga a Zona Norte da cidade à Zona Leste. Com torre única e estais assimétricos em harpa, a ponte possui a singular característica de abrigar em seu topo um mirante a 95 metros de altura com capacidade para até 100 pessoas, acessível através de dois elevadores panorâmicos. Está entre as cem maiores pontes estaiadas do mundo e é uma das poucas a possuir mirante em sua estrutura.
Parque Potycabana – Imenso complexo de lazer com bastante áreas verdes, localizado as margens do Rio Poti na área nobre de Teresina. A Potycabana conta com oito quadras para esportes como futebol society, vôlei de praia, tênis, badminton, pista de skate, pista de ciclismo e de cooper, lanchonetes, palco para shows e pontos de internet gratuita (wi-fi).

Igreja de São Benedito - Teresina

Igreja de São Benedito – Teresina

Parques Ambientais

A despeito de praticamente todos estarem carentes de infraestrutura de apoio a turistas e visitantes em geral (não há lanchonetes, estacionamentos com segurança ou guias locais), Teresina conta com um rol variado de parques, tais como:

Parque Ambiental Encontro dos Rios – Localizado no bairro Poti Velho, no lado esquerdo da foz do Rio Poti ao desaguar no Rio Parnaíba. O Parque possui um centro de recepção ao turista, espaço para exposição e comercialização de produtos artesanais, monumento ao Cabeça-de-Cuia, algumas palhoças, dois mirantes, um restaurante flutuante, trilhas, áreas para pesca, esportes aquáticos e toda beleza natural da região. É uma área de preservação permanente que promove o turismo ecológico e resgata a cultura popular, através da lenda do Cabeça-de-Cuia;

Parque Mini-horto das Samambaias – O Parque é sombreado por arvores nativas com destaque para a grande quantidade de samambaias. Possui uma área de 1,8 hectares e está localizado por detrás do DNER, Zona Leste. No local a Prefeitura de Teresina pretende construir a 1º Igreja Ecológica da capital;

Parque Municipal do Acarape – Possui uma área de 5 hectares e está localizado na Av. Maranhão à margem direita do Rio Parnaíba. Possui trilhas com passeios para a prática de Cooper, área gramada, rosa dos ventos e uma biruta para orientação da direção dos ventos;

Parque Ambiental Poti I – Criado através do Decreto nº 2.642 de 24 de maio de 1994. Com 2.700 metros de extensão, o Parque está situado às margens do rio Poti na Av. Marechal Castelo Branco. É um espaço de visitação pública com quadras poliesportivas, passeios para prática de cooper, um box da PM e um monumento em homenagem ao motorista Gregório. Local de peregrinação de muitos devotos, bem como as sedes do Conselho Municipal do Meio Ambiente, da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária, Secretaria Municipal do Turismo, Centro de Convenções – sede da Piauí Turismo – PIEMTUR e Assembleia Legislativa;

Parque Vale do Gavião – Criado pela Lei Municipal nº 2.601 de 2 de dezembro de 1997, o Parque tem uma área de 19,7 hectares na estrada que liga Teresina ao município de União. Pretende-se construir neste Parque um espaço ambiental para prática sociodesportivas e culturais em completa harmonia com a natureza;

Parque Ambiental Boa Vista – Possui uma área de 2 hectares e fica na Vila Boa Vista, zona sul. Possui playground rústico, bancos, campo para a realização de partidas de futebol society e trilhas ecológicas;

Parque Municipal Parnaíba I – Localiza-se à margem direita do rio Parnaíba na Avenida Maranhão, com uma área de 12 hectares de extensão entre as Avenidas Joaquim Ribeiro e Getúlio Vargas, ponte Presidente Médici, estendendo-se por três quilômetros entre a Avenida Maranhão e o Rio Parnaíba. É um espaço aberto a visitação da população para a prática de cooper e ginástica. A Prefeitura Municipal tem nesta área um patrimônio a ser preservado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e por seus visitantes;

Parque Ambiental da Macaúba – Possui uma área de 5 hectares e está localizado no bairro Macaúba, zona sul da cidade;

Parque Ambiental Porto Alegre – Possui uma das mais novas áreas verdes da cidade com 4 hectares localizada no Cj. Porto Alegre, zona sul da cidade;

Parque Ambiental São João – Localizado nas proximidades da CEASA zona sul da cidade, possui uma área de 15 hectares, trilha ecológica e campo de futebol;

Parque Ambiental Beira Rio – Localizado na Av. Raul Lopes em frente ao Shopping Riverside Walk. Possui árvores de grande porte como mangueiras, laranjeiras, goiabeiras, cajueiros e também exemplares do caneleiro (árvore símbolo da cidade) e plantas ornamentais como onze horas, margaridas e verdelas, além de pista de cooper e quiosques para a comercialização de lanches naturais em uma área de 2,5 hectares;

Parque Prainha – Localizado na Av. Maranhão próximo ao Centro Administrativo, possui museus vivos dos principais biomas do estado como a caatinga, cerrado e cocais;

Parque Vila do Porto – Localizado na margem esquerda do Rio Poti no bairro Água Mineral, zona norte da cidade. Nesse local está a Creche Natureza que atende em média 70 crianças de 3 a 6 anos;

Parque São Paulo – Localizado no bairro São Paulo possui uma área de 5 hectares;

Parque Marina – Foi inaugurado no dia 14 de abril de 1999 durante as comemorações do Aniversário de Teresina. Localizado no bairro Morada do Sol, possui uma área de 2 hectares;

Parque Zoobotânico de Teresina – Localizado na PI-112 em direção ao município de União, ocupando um espaço de 137 hectares. O Parque Zoobotânico de Teresina possui uma grande variedade e quantidade de répteis, pois além do rio que passa ao lado (Coisa que nenhum outro parque tem) há também a presença de três lagos. O parque é coberto pela Floresta estacional semidecídual, sendo a fauna e a flora muito ricas e favoráveis à criação e reprodução desses animais, principalmente cobras; apresenta condições de ser transformado em referência nacional. Um dado importante é o de que o parque possui o menor lagarto do Brasil – Coleodactylus Meridionales – encontrado com frequência, além de muitas outras espécies de animais do Brasil, da África, e de outros lugares, que torna o parque um ótimo lugar para um passeio ecológico e de lazer bastante agradável;

Parque do Caneleiro – Localizado na Av. Alaíde Marques com Dirce de Oliveira por trás do Colégio Agrícola na zona Leste da cidade. O Parque é uma reserva natural da árvore símbolo de Teresina: o caneleiro. No local há um parque infantil e um quiosque que comercializa produtos típicos da terra;

Parque Nossa Senhora do Livramento – Localizado à 200m do Parque do Caneleiro;

Jardim Botânico de Teresina – O Parque do Buenos Aires ou Antigo Horto Florestal possui uma área de 38 hectares de floresta estacional mista. Está situado na Av. Freitas Neto 6415, zona norte da cidade no bairro Mocambinho e compreende a maior área de preservação permanente da cidade. No parque são desenvolvidas pesquisas com elementos da natureza, contando para isso com um laboratório, além de um herbário com vegetais secos para estudos de botânica. Destacam-se também trilhas educativas para os visitantes e um auditório para cursos seminários e treinamentos com capacidade para 50 pessoas;

Parque da Cidade – Inaugurado em 9 de maio de 1982 com uma área de 17 hectares, está localizado na Av. Duque de Caxias. É considerado área de preservação ambiental constitui-se num local para realização de eventos culturais/ecológicos e de apoio às atividades de educação ambiental para escolas e grupos comunitários. Foram identificadas mais de 120 espécies vegetais entre árvores arbustos e ervas agrupadas em 48 famílias. A diversidade faunística encontrada no Parque mostra uma grande quantidade de invertebrados além de alguns vertebrados bem como várias espécies de peixes do Rio Poti. No interior do Parque o visitante encontra banheiros públicos pontos de descanso e de observação. As trilhas levam o visitante a um passeio por toda a área do Parque;

Parque Municipal Floresta Fóssil – A área é um sítio paleontológico de grande importância para pesquisadores, devido a valiosas descobertas de afloramentos de troncos fossilizados – vegetais das espécies Psaronius sp. e Teresinoxylon eusebioi – datados da Era Paleozoica (aproximadamente 270 milhões de anos atrás). Foram catalogados até o momento 60 unidades de vegetais fossilizados. A Floresta Fóssil de Teresina tem como originalidade o grande número de troncos fósseis em posição de vida, sendo também o único sítio paleontológico brasileiro localizado dentro de uma capital. Nesses trechos também podem ser observados dois olhos-d’água subterrâneos que alimentam esse rio mesmo durante o período mais seco.

Cultura

Eventos

Teresina destaca-se por sediar inúmeros eventos culturais que valorizam os costumes da população. Entre eles, podem-se citar:

Carnaval – Há desfile de escolas de Samba realizado na Avenida Marechal Castelo Branco e antigos blocos de foliões como o Capote da Madrugada, Sanatório Geral e Vaca Atolada, que ganharam força e arrastaram multidões em 2013.

Corso de Teresina – Maior prévia carnavalesca do Brasil, também conhecida como Corso de Zé Pereira, que entrou para o Guinness Book como o maior corso do Brasil e do mundo[34] ;
Cultura Negra Estaiada na Ponte – Evento que faz parte das comemorações do aniversário de Teresina, e que tem o objetivo de promover a cultura negra e lutar pela igualdade racial e contra a intolerância religiosa. O evento conta com apoio de grupos de cultura negra e terreiros de Umbanda do Piauí e Maranhão. A primeira edição ocorreu em agosto de 2013 e teve a participação do famoso Pai-de-Santo Bita do Barão;
Seminário de Iniciação Científica da Universidade Federal do Piauí – Maior evento acadêmico de pesquisa científica do estado;
Teresina Fashion – As tendências da estação, feitas por grifes e produções do Piauí, mostradas em um grande desfile, como um show. São 3 palcos para desfile, área para imprensa, praça de alimentação e apresentação cultural, a cada ano com um tema central diferente. As lojas também expõem para clientes e negócios são fechados. Realizado a partir de 2009 no Piauí Center Moda;

Forró Fest Teresina – 10 bandas de forró realizam, no Atlantic City, 2 noites de shows;

Piauí Fest Music – Conhecido por ser a mistura de ritmos, é realizado em outubro, contando com 3 dias de atrações nacionais de variados estilos, uma micareta indoor (sem trio elétrico), na Arena Show;
Encontro Nacional de Folguedos do Piauí – Realizado em junho, na Cidade Detran, celebrando as festas de São João do Nordeste. Reúne atrações de diversas partes do Brasil contando com shows, comidas típicas e apresentação de quadrilhas juninas;

Salão do Livro do Piauí (Salipi) – Sempre homenageando um literato piauiense e outro brasileiro, o festival ocorre no Complexo da Praça Pedro II em junho. Conta com palestras, exposições e feiras. Vários intelectuais participam do evento, como advogados, professores e escritores.;

Piauí Art – Artesões do estado se reúnem em uma feira de negócios e expõem suas obras em uma semana de evento na Potycabana;

 

Galeria de fotos da cidade de Teresina

Vídeo da cidade de Teresina

Mapa da cidade de Teresina